terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

AULA DE MOVIMENTO RECURSO PNEUS






ATIVIDADES PROFª TELMA JD I - B

Neste dia trabalhamos com massinha (ou massa de modelar), desenvolvendo em nossos alunos a coordenação motora e a socialização entre eles.










Para pensar


Pense:... 
Na educação de nossos filhos 
Todo exagero é negativo. 
Responda-lhe, não o instrua. 
Proteja-o, não o cubra. 
Ajude-o, não o substitua. 
Abrigue-o, não o esconda. 
Ame-o, não o idolatre. 
Acompanhe-o, não o leve. 
Mostre-lhe o perigo, não o atemorize.
 Inclua-o, não o isole. 
Alimente suas esperanças, não as descarte. 
Não exija que seja o melhor, peça-lhe para ser bom e dê exemplo. Não o mime em demasia, rodeie-o de amor.
 Não o mande estudar, prepare-lhe um clima de estudo.
 Não fabrique um castelo para ele, vivam todos com naturalidade. Não lhe ensine a ser, seja você como quer que ele seja.
 Não lhe dedique a vida, vivam todos.
 Lembre-se de que seu filho não o escuta, ele o olha.
 E, finalmente, quando a gaiola do canário se quebrar, não compre outra...
 Ensina-lhe a viver sem portas.

 Prof° Vanessa

A MENINA QUE ODIAVA LIVROS


A MENINA QUE ODIAVA LIVROS

 Animação conta a história de Nina, uma menina que não gostava de ler, mas que, ao se deparar com o rico universo da leitura, descobre uma nova realidade.


Professora Vanessa 

domingo, 26 de fevereiro de 2012


Verdades da Profissão de Professor
Ninguém nega o valor da educação e que um bom professor é imprescindível. Mas, ainda que desejem bons professores para seus filhos, poucos pais desejam que seus filhos sejam professores. Isso nos mostra o reconhecimento que o trabalho de educar é duro, difícil e necessário, mas que permitimos que esses profissionais continuem sendo desvalorizados. Apesar de mal remunerados, com baixo prestígio social e responsabilizados pelo fracasso da educação, grande parte resiste e continua apaixonada pelo seu trabalho.
A data é um convite para que todos, pais, alunos, sociedade, repensemos nossos papéis e nossas atitudes, pois com elas demonstramos o compromisso com a educação que queremos. Aos professores, fica o convite para que não descuidem de sua missão de educar, nem desanimem diante dos desafios, nem deixem de educar as pessoas para serem “águias” e não apenas “galinhas”. Pois, se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda.
Paulo Freire

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

A Lição da Borboleta


A Lição da Borboleta




Um homem estava observando, horas a fio, uma borboleta esforçando-se para sair do casulo. Ela conseguiu fazer um pequeno buraco, mas seu corpo era grande demais para passar por ali. Depois de muito tempo, ela pareceu ter perdido as forças, e ficou imóvel.
O homem, então, decidiu ajudar a borboleta; com uma tesoura, abriu o restante do casulo, e libertando-a imediatamente. Mas seu corpo estava murcho e era pequeno e tinha as asas amassadas.
O homem continuou a observá-la, esperando que, a qualquer momento, suas asas se abrissem e ela levantasse vôo. Mas nada disso aconteceu; na verdade, a borboleta passou o resto da sua vida rastejando com um corpo murcho e asas encolhidas, incapaz de voar.
O que o homem – em sua gentileza e vontade de ajudar – não compreendia, era que o casulo apertado e o esforço necessário à borboleta para passar através da pequena abertura foi o modo escolhido pela natureza para exercitá-la e fortalecer suas asas.
Algumas vezes, um esforço extra é justamente o que nos prepara para o próximo obstáculo a ser enfrentado. Quem se recusa a fazer este esforço, ou quem tem uma ajuda errada, termina sem condições de vencer a batalha seguinte, e jamais consegue voar até o seu destino.

 Autor desconhecido.


Professora Vanessa

Livro Contado

Livro Contado
Marcelino Pedregulho


Professora Vanessa

REUNIÃO PEDAGÓGICA


No replanejamento escolar do dia 22/02 tivemos a visita da Ângela, que é professora de A.E.E. (Atendimento Educacional Especializado) que orientou a equipe à respeito de alunos com necessidades especiais. Foi um momento muito importante, valoroso e instrutivo.


 

Queremos agradecer e relembrar que sua presença nesta escola é sempre muito bem vinda e necessária.









Obrigada, Equipe Escolar



O NÓ DO AFETO



Era uma reunião numa escola. A diretora incentivava os pais a apoiarem as crianças, falando da necessidade da presença deles junto aos filhos. Mesmo sabendo que a maioria dos pais e mães trabalhava fora, ela tinha convicção da necessidade de acharem tempo para seus filhos.
Foi então que um pai, com seu jeito simples, explicou que saía tão cedo de casa, que seu filho ainda dormia e que, quando voltava, o pequeno, cansado, já adormecera. Explicou que não podia deixar de trabalhar tanto assim, pois estava cada vez mais difícil sustentar a família. E contou como isso o deixava angustiado, por praticamente só conviver com o filho nos fins de semana.

O pai, então, falou como tentava redimir-se, indo beijar a criança todas as noites, quando chegava em casa. Contou que a cada beijo, ele dava um pequeno nó no lençol, para que seu filho soubesse que ele estivera ali. Quando acordava, o menino sabia que seu pai o amava e lá estivera. E era o nó o meio de se ligarem um ao outro.
Aquela história emocionou a diretora da escola que, surpresa, verificou ser aquele menino um dos melhores e mais ajustados alunos da classe. E a fez refletir sobre as infinitas maneiras que pais e filhos têm de se comunicarem, de se fazerem presentes nas vidas uns dos outros. O pai encontrou sua forma simples, mas eficiente, de se fazer presente e, o mais importante, de que seu filho acreditasse na sua presença.
Para que a comunicação se instale, é preciso que os filhos 'ouçam' o coração dos pais ou responsáveis, pois os sentimentos falam mais alto do que as palavras. É por essa razão que um beijo, um abraço, um carinho, revestidos de puro afeto, curam até dor de cabeça, arranhão, ciúme do irmão, medo do escuro, etc.
Uma criança pode não entender certas palavras, mas sabe registrar e gravar um gesto de amor, mesmo que seja um simples nó.
 





E você? Tem dado um nó no lençol do seu filho ?

SER PROFESSOR..



Não posso ser professor se não percebo cada vez melhor, que por não poder ser neutra, minha prática exige de mim uma definição. Uma tomada de posição. Decisão. Ruptura. Exige de mim que escolha entre isto e aquilo. Não posso ser professor a favor de quem quer que seja e a favor de não importa o quê. Não posso ser professor a favor simplesmente do Homem ou da Humanidade, frase de uma vaguidade demasiado contrastante com a concretude da prática educativa. Sou professor a favor da decência contra o despudor, a favor da liberdade contra o autoritarismo, da autoridade contra a licenciosidade, da democracia contra a ditadura de direita ou esquerda. Sou professor a favor da luta contante contra qualquer forma de discriminação, contra a dominação econômica dos indivíduos ou das classes sociais. Sou professor contra a ordem capitalista vigente que inventou esta aberração: a miséria na fartura. Sou professor a favor da esperança que me anima apesar de tudo. Sou professor contra o desengano que me consome e imobiliza. Sou professor a favor da boniteza da minha própria prática, boniteza que dela some se não cuido do saber, se não luto pelas condições materiais necessárias sem as quais meu corpo, descuidado, corre o risco de se amofinar e de já não ser o testemunho que deve ser de lutador pertinaz, que cansa, mas não desiste.

(Paulo Freire)

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

O poder da Tecnologia

O Poder da Tecnologia


13 perguntas e respostas sobre computadores na pré-escola

Por que e como incluir o uso do computador de maneira adequada na rotina da criançada.

É cada vez mais presente no discurso dos educadores a ideia de que computador na escola só se for para ser usado como ferramenta pedagógica a fim de proporcionar aprendizagens às crianças.
Porém, quando esse é o assunto no currículo da pré-escola, ainda existem muitas dúvidas - inclusive na cabeça dos pais. Será que a máquina é realmente útil ou, no fim das contas, acaba virando mais um brinquedo na mão dos pequenos?

NOVA ESCOLA consultou especialistas, que responderam a 13 perguntas sobre o tema para ajudar você a lidar com o assunto de forma prática e inteligente.

1- Por que os pequenos devem usar o computador?
Primeiro porque é papel da escola apresentar os elementos do mundo em que vivemos e ensinar como interagir com eles. Segundo porque, ao planejar trabalhos com o computador na pré-escola, o educador permite que a turma desde cedo acesse diversas manifestações da linguagem. "O importante é não esquecer de que a tecnologia tem de ser usada para expandir conhecimentos. Não vale usá-la de maneira gratuita", diz Maria Virgínia Gastaldi, formadora do Instituto Avisa Lá, em São Paulo.

2- Qual deve ser o foco do trabalho com as crianças?
Por ser uma ferramenta para ajudar na ampliação dos saberes (e não o objeto da aprendizagem), a máquina deve ser incluída na rotina para a realização de pesquisas na internet, o desenvolvimento de projetos ou para o uso de jogos que tenham como tema algum conteúdo que esteja sendo explorado no momento, dentre outras possibilidades Não faz sentido reservar um tempo para aulas de informática a fim de ensinar como usar o mouse ou identificar os símbolos. Enquanto praticam a escrita do nome próprio, por exemplo, todos aprendem a operar o aparelho.

3- É preciso garantir uma máquina para cada criança?
Não. O ideal é ter uma em cada sala. No caso de existir uma sala de informática ou então somente um aparelho na escola, os educadores têm de organizar um cronograma para garantir que todas as crianças tenham acesso. Assim, a atividade não será encarada como algo que ocorre raramente e, por isso, desperta ansiedade ou então se torna o centro das atenções da garotada. Porém, mais do que isso, a escola tem de se preocupar em integrar a tecnologia à aprendizagem, ou seja, fazer do computador um componente rotineiro para o grupo.


4 - E o aluno que nunca teve acesso à informática?
Mesmo para essas crianças, não é necessário fazer uma apresentação formal. O educador é sempre a referência para a turma. Então, basta que, ao começar uma atividade qualquer, ele explique os objetivos e descreva o que está fazendo. A tecnologia faz parte da cultura e a escola é responsável por fazer com que a criançada tenha acesso a ela.  "Quem tem o recurso em casa leva para a escola novos elementos e compartilha com os colegas. Quem não tem adquire a chance de desenvolver as mesmas habilidades, passando a fazer parte do mundo digital", explica Camilla Duarte Schiavo Ritzmann, coordenadora pedagógica da Escola Santi, na capital paulista.

5 - Os pequenos podem brincar com o computador?
Sim, desde que as brincadeiras não sejam passatempos, atividades que não se refletem em aprendizagens. O educador tem de eleger jogos e programas interativos que agreguem o trabalho com os conteúdos didáticos explorados na pré-escola.

6 - Quais as características de um bom jogo online?
Tal como um jogo de tabuleiro, ele precisa desafiar os pequenos a colocar em cena seus conhecimentos, assim como apresentar novas informações para desafiá-los. Modelos que apresentam questões a serem respondidas e depois simplesmente revelam certo ou errado, sem justificativas, por exemplo, não são interessantes. 

7 - O educador precisa dominar informática?
Não, mas é imprescindível estudar antes o que vai ser apresentado para a criançada, tanto para saber se o material tem qualidade didática como para planejar os encaminhamentos. No caso do uso da internet para fazer pesquisas, é preciso cuidar para que a turma não acesse sites inadequados para a faixa etária ou pouco confiáveis, que podem fornecer informações de qualidade duvidosa.


8 - Qual o tempo ideal de uso da máquina por dia?
Não existe uma medida-padrão. O importante é balancear essa atividade em relação a outras típicas da Educação Infantil, como a roda de leitura. Na sala da pré-escola da CMEI Nossa Senhora de Fátima, em Curitiba, o computador fica em um dos cantos, tal como o da cozinha, da leitura e dos jogos. "A intenção é justamente diversificar a oferta de possibilidades", explica a professora Joseana de Almeida Fonseca Fontoura.


9 - Ter acesso à internet é fundamental?
Embora não seja obrigatório, é difícil conceber um computador que não esteja conectado à rede mundial hoje em dia. Ela é uma ótima fonte de pesquisa e o acesso está cada vez mais fácil para a população. No mais, a interação virtual é um aspecto que deve ser apresentado às crianças e estimulado. É muito enriquecedor mostrar a possibilidae de buscar informação em lugares que muitas vezes estão longe de onde a criançada vive.


10 - É válido usar programas para desenhar?
Sim, para que a turma conheça outra forma de criar desenhos. "Porém um equívoco muito comum é imprimir os trabalhos", diz Silvana Augusto, formadora do Avisa Lá. É um gasto denecessário de material e, transferindo a produção para o papel, o educador limita as possibilidades de uso da máquina. Por exemplo, propor que as crianças alterem o material para usá-lo em outros projetos.


11 - A tecnologia desestimula a leitura de livros?
Não deveria, já que se tratam de suportes diferentes, tal como a televisão e o rádio, e um não substitui o outro. É importante compreender que é preciso lidar com todas elas. Enquanto no computador a leitura pode ser complementada com recursos audiovisuais usados de forma interativa, com o livro, fica mais ao cargo do leitor interpretar o texto.


12 - A aprendizagem da escrita à mão fica prejudicada?
Não, porém é tarefa do educador garantir que o trabalho com lápis e papel e com letras móveis ocorram também. Naturalmente, muitos adultos hoje não escrevem à mão com a mesma frequência de antes e essa deve ser uma tendência entre os pequenos. Mas como há situações em que a escrita de próprio punho não pode ser substituída (por exemplo, quando as crianças estão em um estudo de campo e precisam fazer anotações), é fundamental garantir essa aprendizagem. "A criançada precisa aprender todas as possibilidades da escrita para que possa escolher qual é a mais adequada para usar em cada situação", fala Silvana.

13 - A troca mensagens eletrônicas deve ser estimulada?
Sim, porque é uma forma de comunicação real, tal como a carta. Porém, tem de ser uma atividade contextualizada (por exemplo, escrever um e-mail para indicar para os colegas de outra escola o livro que a turma leu recentemente, com a elaboração de uma resenha). O correio eletrônico também pode ser usado para contatar profissionais, como médicos e biólogos, que possam esclarecer dúvidas e ampliar conhecimentos da criançada.



Publicado em NOVA ESCOLA Edição 238, Dezembro 2010. Título original: O clique que ensina

Aprender a aprender

Aprender a aprender

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

NORMAS DA ESCOLA


NORMAS DE CONVIVÊNCIA

                 1.Horários
 O aluno deverá chegar dentro do horário estipulado pela escola, sendo tolerado somente um atraso de 10 (dez) minutos somente na entrada:
-período da manhã parcial 
entrada 7:00 horas e saída 12:00 horas
-período da tarde parcial
entrada 12:30 horas e saída 17:30 horas
-período integral
entrada 7:00 horas e saída 17:00 horas
Informamos que conforme a legislação do Conselho de Escola, os pais não poderão ter atrasos para buscarem seus filhos, pois não temos funcionários para tomar conta deles após esse horário. Mandar somente pessoas autorizadas na ficha de matrícula para retirar a criança. Se necessário tomaremos providências conforme a legislação determina.

2. Assiduidade
O responsável pela criança deverá justificar (por escrito) a escola todas as ausências. 

3. Atualização de prontuário
    É muito importante que a família atualize o prontuário da criança sempre que se faça necessário: endereço, telefone, responsável pela saída, etc.



4. Saúde e higiene
A criança deverá estar bem cuidada antes de vir à escola. É benéfico um banho mesmo no período da manhã e na época do frio. Os pais devem dedicar atenção especial à higiene bucal, corporal, piolho e horário de dormir de seus filhos.
Não é permitido aos profissionais da escola medicar a criança, exceto com prévia autorização escrita do responsável e receita médica. Quando necessário medicar, a família poderá vir até a escola para esse fim.
No horário escolar, quando houver situações especiais: vômitos, febre, diarréia, etc, a família será contatada por telefone. Em casos urgentes,  a escola fará o atendimento de emergência da criança e comunicará os pais posteriormente.
Em caso de doenças infecto-contagiosas, o responsável pela criança deverá procurar o atendimento médico, que fará um diagnóstico e determinará o tempo de suspensão da frequência escolar, mediante atestado médico.
            
            5. Encaminhamentos
   Quando a escola solicitar atendimento especial: médico, odontológico, etc, a família deverá tomar as providências. É preciso trazer para a escola o diagnóstico do profissional por escrito, o mais rápido possível. Sempre trazer atestados e documentos que auxilie  a escola no atendimento de seu filho.



            6. Atendimento aos Pais
  
Conversar com a professora nos horários de entrada e saída, acarreta desatenção da mesma para com as crianças. É preciso verificar no caderno de recados o horário específico de atendimento e fazer o agendamento.
É imprescindível o comparecimento da família à escola, quando convocada. Na impossibilidade do comparecimento, comunicar com antecedência (Passar seu horário de atendimento à Pais).
             7. Festas
   São permitidas festas de aniversário na escola, desde que todos da escola possam participar. No decorrer do ano, a escola realizará apresentações e mostra do conhecimento com a participação da família.
              8. Livro de Ocorrência/Conselho Tutelar   
    Todas as situações de negligência/ abandono da criança pela família serão registradas no livro de ocorrências da escola e o responsável pela criança será notificado. Não sendo resolvida a situação, o caso será encaminhado ao Conselho Tutelar.
     
              9. Alimentação
  A escola oferece várias refeições no horário escolar. O cardápio é elaborado por uma nutricionista da Secretaria Municipal de Educação, portanto não é permitido trazer lanche e suco.
             
             10. Comunicados, Convites, Convocações   
   São enviados para a família tendo como objetivo informar as ocorrências da vida escolar da criança. Os responsáveis devem zelar pelo caderno de recados,  ler e assinar o recebimento.
       
              

              11. Materiais da Criança  
 É obrigatório o uso do uniforme. Quem tem deverá vir com o do ano passado, senão a obrigatoriedade é quando receber. Não é permitido o uso de pulseiras, anéis e relógio.
 O dia do brinquedo é somente às sextas-feiras, sendo proibidos: armas, algemas, espadas, bumerangues, patins, patinete, skate, etc e de alto valor. A criança não poderá portar objetos perigosos e a escola não será responsável por objetos de valor ou brinquedo que a criança trouxer de casa.
Fitas de vídeo, DVD e CD devem ser combinados previamente com a professora.   
A criança deverá trazer diariamente escova de dente, toalhinha e uma caneca. O Jardim I e crianças do período integral deverão trazer diariamente uma troca de roupa.  Todo material da criança deverá estar identificado.


             12. Valores  
  Falar com a criança sobre o bom comportamento, respeito ao professor, aos funcionários e aos coleguinhas e sobre o cuidado com os materiais escolares e outros pertences.
   

            13. APM (Associação de Pais e Mestres)
Os envelopes de contribuição espontânea devem ser entregues até o dia 15 de cada mês, mesmo que não haja contribuição. Essa contribuição será usada para enriquecer o trabalho pedagógico e é muito importante para nossa escola.






Direção e Conselho de Escola
 

DICAS AOS PAIS: DENTES


Cuide bem dos dentinhos

U m dos cuidados básicos para a manutenção da saúde de nossos filhos é habitua-los a fazer a higiene bucal, ou seja, fazer a limpeza dos dentes.
A escovação deve ser complementada com o uso do fio dental para a limpeza entre os dentes. Inicie quando a criança estiver com os 8 primeiros dentes e faça 1 vez ao dia.
Dicas importantes para a higiene bucal:
  •  reduzir o consumo de alimentos e bebidas que contenham açúcar, principalmente aqueles que grudam nos dentes, evitando seu consumo nos intervalos entre as refeições.
  •  Oferecer alimentos ricos em fibras como cenoura crua, maçã, pepino, verduras em geral. Eles são considerados “detergentes” naturais, pois estimulam mais a salivação.
  •  utilizar creme dental com flúor.
  •  Ir ao dentista no mínimo uma vez ao ano.
Ele poderá detectar inícios de cáries e dar orientações para manter a saúde bucal do seu filho.

DICAS AOS PAIS: PIOLHO


PIOLHO ?




Vive agarrado aos fios de cabelo. Os piolhos passam de uma cabeça para outra através do uso de chapéus, pentes, bonés e tiaras de cabelo emprestados de outras pessoas que também tenham piolho.

SINTOMAS: Coceira intensa e irritação do couro cabeludo.
  



COMO EVITAR
Não usar pente, chapéu, boné, lenços de cabeça, presilhas e capacetes que sejam de outras pessoa.
Estar atendo quando as crianças começarem a coçar a cabeça com maior frequência.
Inspecionar a cabeça em busca do piolho !
     


COMO TRATAR
Levar a criança ao médico para que ele recomende o produto adequado.
Além do produto, passar o pente fino todos os dias no cabelo.



_________________________________________________________________________________


VAMOS FALAR DE PIOLHO
1- O que é Pediculose?
Pediculose é a infestação por piolhos (Pediculus humanus capilis) e lêndeas. Ela pode atingir qualquer pessoa, qualquer idade, sexo ou classe sócio-econômica, com bons ou maus hábitos de higiene, mas ocorrem principalmente em crianças de 3 a 10 anos, ou seja, em idade pré-escolar ou escolar. Como a pediculose é transmitida pelo contato pessoal ou pelo uso de objetos de outro indivíduo infestado, locais como escolas são propícios para a sua proliferação. Por isso, ao menor sinal da presença de piolhos, avise a escola para que ela comunique o problema aos outros pais, uma medida importante para auxiliar no controle de um possível surto. Mais crianças, pode estar infestadas e é muito importante tratá-las também, para que não ocorram reinfestações.
2- O que é piolho? O que é lêndea?
 É um inseto parasita que vive no couro cabeludo e cujo alimento é o sangue humano, Seus ovos, as lêndeas, são colocadas e cimentadas na base dos fios de cabelo pelas fêmeas e,  em alguns dias, se transformam em piolhos adultos.
3- Quais os Sintomas?
 Tudo começa com uma coceirinha, que logo vira um grande desconforto. Incomoda bastante e a criança pode ficar irritada, ter o sono perturbado, perdendo até mesmo a atenção durante a aula. A coceira intensa pode causar feridas no couro cabeludo, podendo ocorrer até uma infecção bacteriana secundária.
4-Como prevenir e tratar?
A melhor prevenção é a observação. Examine freqüentemente a cabeça das crianças. Assim, fica mais fácil detectar a presença de piolhos e lêndeas logo no início. Se houver infestação, lave os objetos de uso pessoal e roupas de cama com água bem quente ou mantenha-os fora de uso por 2 semanas. Os pentes e escovas devem ser lavados com água bem quente por 5 a 10 minutos. É importante tratar o pediculose com pediculicídas, ou seja, com medicamentos específicos para eliminar piolhos e lêndeas. É muito importante não utilizar inseticidas comuns, que podem até intoxicar a criança. O uso de pente fino também é imprescindível, pois auxilia na remoção dos piolhos e das lêndeas, complementando o tratamento.
 ESFOLIAÇÃO
Misture fubá com óleo. Faça uma pasta e esfregue no couro cabeludo úmido, ainda esfregue nos fios do cabelo com cuidado. Sairão quase todas as lêndeas e piolhos. Lave o cabelo normalmente com seu shampo rotineiro.

OBS.: Existe um shampo e condicionador próprio.


IMPORTANTE: Procure o Posto de Saúde.